Novembro Azul: Agora é a vez dos homens

Novembro Azul é uma campanha que busca a conscientização e a necessidade da prevenção e diagnóstico do câncer de próstata, além da importância de cuidados integrais com a saúde do homem. O câncer de próstata é um dos cânceres mais comuns no mundo e atinge aos homens com idade acima de 65 anos, com maior incidência.

A campanha surgiu em 2003 em Melbourne, na Austrália, a partir da iniciativa de dois amigos, Travis Garone e Luke Slattery. Inspirados pela campanha da mãe de um colega, que levantava fundos para o combate ao câncer de mama, Travis e Luke tiveram a ideia de associar o bigode com a conscientização sobre a saúde masculina. Eles escolheram o mês de novembro para deixar o bigode crescer, pois, no dia 17, já se comemorava o Dia Mundial do Combate ao Câncer de Próstata.

O movimento chegou ao Brasil em 2008, trazido pelo Instituto Lado a Lado pela Vida em conjunto com a Sociedade Brasileira de Urologia.

Hoje, o Novembro Azul no Brasil é marcado por diversas ações de divulgação sobre o câncer de próstata, como palestras sobre medidas de prevenção e campanhas para a realização do exame físico (toque) e do PSA (exame de sangue que detecta alterações do antígeno prostático específico, que podem ser indicativas dessa neoplasia). Além disso, muitas cidades iluminam seus monumentos e prédios públicos na cor azul, de forma análoga à campanha do Outubro Rosa.

Segundo o Instituto Nacional do Câncer (Inca), a cada 38 minutos, um homem morre no Brasil pelo câncer de próstata. A mortalidade pela doença é alta e ceifa 28,6% dos que desenvolvem neoplasias malignas. Um dos aspectos mais preocupantes sobre o câncer de próstata vai além da mortalidade. É preciso acabar com a cultura de negligência e preconceito contra os exames de prevenção.

 

O preconceito

O câncer de próstata, quando descoberto em seus primeiros estágios, tem 90% de chance de cura. Entretanto, se diagnosticado de maneira tardia, isso diminui exponencialmente.

Para que a doença seja confirmada é necessário fazer o exame de toque, principalmente após os 40 anos, sendo que aos 50 a chance de contrair a doença é ainda maior. Aí mora um problema que vai muito além da questão de saúde e envolve a mentalidade, as crenças e os resíduos de uma criação feita em um mundo centrado no masculino.

Enquanto no Outubro Rosa o autoexame, as mamografias e todas as formas de diagnóstico são compartilhadas e revistas pelas mulheres, no caso dos homens há um tabu em torno do exame de toque, devido à maneira como é feito.

 

Sintomas

No início, a doença não apresenta sintomas (por isso, o cuidado com o diagnóstico deve ser redobrado) a maioria dos sintomas do câncer de próstata se concentra nos sistemas reprodutor e excretor. Porém, após algum tempo, pode evoluir e afetar ossos nas pernas e pés entre outros locais. Veja os principais sintomas:

  • fluxo urinário fraco ou interrompido;
  • sangue na urina e/ou no sêmen;
  • disfunção erétil;
  • excesso de micção na parte da noite;
  • incontinência urinária.
 

Em estágios mais avançados, quando o câncer passa a tomar os ossos (local onde costumam se desenvolver e permanecer por muitos anos), podem surgir dores nos quadris, costas e ombros, entre outros, além de fraqueza ou dormência nas pernas e nos pés.

Se você é homem, não tenha vergonha, medo ou receio de procurar ajuda. Nenhum tipo de apoio deve ser visto com constrangimento, e todos precisamos disso em alguns momentos de nossa vida. Por que não aproveitar o Novembro Azul para dar o primeiro passo em busca de uma saúde melhor?

Fonte: www.inca.gov.br

www.ladoaladopelavida.org.br

 —————————

Sua opinião é muito bem-vinda! Comente, se expresse, esse espaço é seu 😉

Por favor, verifique os termos antes de realizar seu comentário:

  • Os comentários do blog são moderados.
  • Só publique comentários relacionados ao conteúdo do artigo.
  • Comentários anônimos não serão publicados.
  • Não coloque links de artigos de seu blog nos comentários.
  • Deseja nos contatar? Acesse o formulário de contato aqui.
  • Os comentários não refletem a opinião do autor.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *