Uso da Inteligência Emocional no combate à pandemia do Coronavírus

Inteligência emocional é o nome que se dá ao conjunto de competências relacionadas a lidar com emoções, principalmente em momentos de estresse, ajudando a perceber, processar, compreender e saber gerenciar as situações de estresse e crises.

 

A pandemia do Coronavírus, declarada pela Organização Mundial de Saúde (OMS), é uma crise mundial que vem assustando milhões de pessoas em todo o mundo. Não é para menos, o número de óbitos e infectados cresce a cada dia, em nível global e, a tendência é que esses números subam ainda mais nos próximos dias.

Nestes momentos de crise, buscamos seguir os líderes que conhecemos, prontos para obtermos respostas para os problemas que enfrentamos coletivamente. Estes líderes têm em comum um posicionamento adequado e colocam em foco o seguinte objetivo: trabalhar a inteligência emocional para superar as adversidades.

O trabalho sob pressão, a convivência com os colegas de trabalho, o contato com o público e outras situações podem fazer com que seus sentimentos aflorem, trazendo à tona sentimentos de raiva, tristeza, ansiedade e outras sensações. Neste caso específico, o medo de uma nova doença faz com que tenhamos que trabalhar a nossa inteligência emocional.

Todos temos sentimentos e eles podem surgir em alguns momentos na vida de qualquer pessoa, mas, devemos procurar sempre ter controle sobre eles. A inteligência emocional no ambiente corporativo se faz necessária para que os resultados não sejam prejudicados e para que haja uma convivência harmônica entre os colaboradores.

Em momentos de crise, como este causado pela pandemia do Coronavírus, as pessoas podem ser tomadas pelo medo e ter reações exageradas ou mesmo inapropriadas. Nesse sentido, os líderes trabalham como uma peça fundamental para acalmar os ânimos e colocar a situação em perspectiva e foco.

Temos exemplos de grandes líderes que souberam trabalhar a inteligência emocional e ajudar seus colaboradores a enfrentarem suas crises, Bill Gates, fundador da MicrosoftElon Musk, CEO da Tesla Motor. O objetivo destes dois líderes é o mesmo: trabalhar as emoções de terceiros sobre um determinado assunto, de forma a acalmá-los.

Elon chegou a declarar que o pânico em relação ao Coronavírus era “idiota”, fazendo um paralelo com os acidentes de carro, que matam muito mais do que a doença provocada pelo COVID-19. Entretanto percebendo o desconforto e a preocupação de seus funcionários com o assunto, o CEO abriu mão de suas convicções pessoais e permitiu que os colaboradores que se sentissem desconfortáveis fizessem home office, dando ainda conselhos sobre como se proteger do Coronavírus.

Este é um ótimo exemplo de um líder que colocou de lado sua opinião pessoal e levou em consideração os sentimentos da coletividade, seguindo recomendações de órgãos da área de saúde, para dar a opção aos seus colaboradores, mesmo acreditando não ser necessário.

As empresas podem e devem trabalhar a inteligência emocional de seus colaboradores. Veja este case: o site de vagas e recrutamento Glassdoor realizou um levantamento sobre como as empresas e funcionários estão respondendo à pandemia do Coronavírus. Os colaboradores reportaram e elogiaram medidas adotadas por empresas que envolvem comunicação transparente e ações de proteção à saúde. Ganharam pontos com seus colaboradores as empresas que transformaram ideias em ações e disponibilizaram máscaras cirúrgicas, spray desinfetante, luvas de vinil, lenços e passaram a medir a temperatura dos funcionários duas vezes ao dia.

Em um ambiente corporativo harmônico e produtivo, os colaboradores também se destacam. As empresas costumam valorizar mais os profissionais que sabem lidar com seus sentimentos e possuem a habilidade de liderar uma equipe ou se destacar em suas atividades diárias, seja no relacionamento externo, com os clientes ou no relacionamento interno, com os colegas de trabalho. Funcionários com esse perfil passam a ser mais notados pelos gestores, podendo alcançar cargos de liderança mais rapidamente.

Trabalhe a sua inteligência emocional, e, mesmo trabalhando de forma remota, procure sempre liderar e se destacar em suas tarefas cotidianas, aproveite o home office para aprimorar seus conhecimentos ou aprender coisas novas.

 —————————

Sua opinião é muito bem-vinda! Comente, se expresse, esse espaço é seu 😉

Por favor, verifique os termos antes de realizar seu comentário:

  • Os comentários do blog são moderados.
  • Só publique comentários relacionados ao conteúdo do artigo.
  • Comentários anônimos não serão publicados.
  • Não coloque links de artigos de seu blog nos comentários.
  • Deseja nos contatar? Acesse o formulário de contato aqui.
  • Os comentários não refletem a opinião do autor.

6 respostas

  1. Excelente o artigo! Possuem indicações de livros, artigos, outras referências que possam ajudar no conceito de inteligência emocional?

    1. Olá Leonilda, que bom que gostou do nosso artigo. Temos algumas sugestões de leitura:
      Título: A teoria revolucionária que redefine o que é ser inteligente – Autor: Daniel Goleman
      Título: Inteligência Emocional – 10 Leituras Essenciais – Harvard Business Review
      Agradecemos seu comentário e a convidamos para continuar nos acompanhando e interagindo conosco.

    1. Olá Gisele, tudo bem?
      Ficamos felizes que nosso conteúdo a ajudará em seu Trabalho de Conclusão.
      Aproveitamos para compartilhar essas dicas de leitura:
      *Título: A teoria revolucionária que redefine o que é ser inteligente – Autor: Daniel Goleman
      *Título: Inteligência Emocional – 10 Leituras Essenciais – Harvard Business Review
      Continue acompanhando nosso conteúdo e interagindo conosco.
      Sucesso no seu TCC!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *