O verdadeiro líder em tempos de crise

O Covid-19 trouxe o medo do desconhecido à superfície com a mesma velocidade do seu contágio. Ainda não há vacina nem prazo para voltar à normalidade, se é que essa normalidade voltará a ser como a conhecíamos. Muito se fala sobre o ‘novo normal’, mas o fato é que mesmo este, ninguém conhece.

Passada a fase inicial da descoberta da doença, o pós-caos no mercado financeiro mundial, o prejuízo em algumas áreas da economia poderá levar décadas para ser sanado e, novamente, se pode provisionar, mas não determinar quando essa grande crise se encerrará.

O fato é que o vírus foi responsável pela aniquilação de empresas inteiras e até profissões. Porém, provocou transformações importantes como a aceleração tecnológica, a mudança na natureza do modelo de negócio, relações sociais e trabalhistas e espaços de trabalho.

 
Mudanças comportamentais

Essa imprevisibilidade criou oportunidades, obrigando as organizações a saírem da zona de conforto e abandonarem os padrões obsoletos de negócio. O comportamento mudou e novos conceitos despontaram para uma realidade completamente diferente daquela experienciada até então.

Se o cliente tinha sempre razão, agora, ele é a única razão pela qual a sua empresa ainda existe. Além disso, o termo ‘trabalho em equipe’ nunca fez tanto sentido. Percebeu-se que uma engrenagem funciona perfeitamente, mesmo com as peças à distância, e que a qualidade da comunicação é absolutamente essencial para que a máquina continue a produzir.

Áreas como RH e Marketing assumiram sua responsabilidade e importância em manter a filosofia e valores da empresa para seus clientes e colaboradores. Em mantê-los motivados ainda que diante das grandes adversidades.

Hábitos de compra sofreram grandes transformações e a cultura do supérfluo perdeu força. Produtos de necessidade são determinados pela rotina das pessoas, e quando essa rotina muda, o modelo de consumo também muda.

 
O novo líder

Novos modelos de negócio, novos padrões de comportamento de consumo, novos ambientes de trabalho para serem comandados por novos líderes. E assim, não há um protótipo de profissional ideal para liderança durante a crise. Enquanto aqueles acostumados à abundância e franco crescimento da economia caem, outras figuras com perfil menos liberal e mais pragmático se destacam e assumem a liderança. São percebidos como profissionais que assumem suas responsabilidades para duras decisões. Mas essa é uma regra? Não! Nunca houve uma regra e nunca haverá. Há tendências que podem ser observadas e que durante um período são mais comuns à maioria.

O fato é que essas mudanças geram dúvidas inquietantes decorrentes de uma realidade que não existe mais.

 

“A figura do líder deve inspirar e motivar.

 

Um líder deve aceitar que possui limitações, mas não pode transparecer suas incertezas para sua equipe. É papel da liderança assumir as suas responsabilidades, refletindo confiança para garantir que o barco chegue ao destino, mesmo que para isso as rotas tenham que ser reprogramadas ao longo do trajeto. É papel do líder fortalecer a base para que o todo não desmorone.

 

Qual o papel da empresa?

Compreendemos que não há um modelo ideal de liderança, mas entendemos que há perfis que naturalmente despontam para assumir o protagonismo diante de situações adversas como a crise atual. Porém, se o modelo corporativo se mantiver nos padrões anteriores à pandemia, de nada irá adiantar um líder forte e sua equipe motivada.

Então, a empresa tem o papel mais importante que é definir uma estratégia de futuro para o seu negócio e se necessário, até seu reposicionamento. Apresentar seu novo propósito, programar o reequilíbrio financeiro e econômico com a menor perda de recurso humano possível e, é claro, apoiar seus melhores e maiores líderes.

 
O apoio sempre é bem-vindo

As organizações devem ter claros todos os recursos para manter seu pleno funcionamento, e isso inclui alguns pontos que precisam ser desenvolvidos e ativados pela liderança:

  • Mapa de atitudes
  • Prioridades de curto prazo
  • Plano de ação
  • Estrutura organizacional clara
  • Engajamento
  • Flexibilidade
  • Empatia
  • Orientação dos resultados
  • Indicadores de performance
  • Lições aprendidas e compartilhadas


Não existe empresa sem líderes e líder sem equipe. Todos fazem parte da mesma engrenagem e se não houver comprometimento de todos os envolvidos, a máquina não funciona.

Durante a crise deve ser fortalecido o senso de urgência e oportunidade, assim como a capacidade de resolver problemas com assertividade.

É necessário que o líder assuma seu papel de protagonista e seja a peça fundamental que a empresa precisa, durante este momento.

Por Carolina Martins – Manager Marketing & Communication

 —————————

Sua opinião é muito bem-vinda! Comente, se expresse, esse espaço é seu 😉

Por favor, verifique os termos antes de realizar seu comentário:

  • Os comentários do blog são moderados.
  • Só publique comentários relacionados ao conteúdo do artigo.
  • Comentários anônimos não serão publicados.
  • Não coloque links de artigos de seu blog nos comentários.
  • Deseja nos contatar? Acesse o formulário de contato aqui.
  • Os comentários não refletem a opinião do autor.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *