Novembro Azul: cuide, também, de você!

De acordo com o Centro de Referência em Saúde do Homem de São Paulo, 70% das pessoas do sexo masculino que procuram um consultório médico tiveram a influência da mulher ou de filhos. O estudo aponta que mais da metade desses pacientes adiaram a ida ao médico e já chegaram com doenças em estágio avançado.
São diversas as abordagens da mídia e da cultura valorizando o cuidado da mulher à própria saúde, o que se configura ainda escasso quando se trata da saúde do homem. As ações em saúde, por vezes, focam o cuidado perante a presença de doenças, ao invés de ressaltar a atenção à qualidade de vida e promoção. 
De maneira geral, o cuidado da própria saúde e dos outros não são questões colocadas como parte da vida social do homem. Além disso, existe uma associação do ‘ser homem’ à resistência à doença, menor cuidado de si, às práticas sexuais de risco (pelo maior número de parceiras, identificação de uma falsa autoproteção e associação entre masculinidade e virilidade), e ao papel de provedor e trabalhador inesgotável. Essa concepção leva, por vezes, a assumir tarefas mais perigosas e a tomar menos medidas de proteção individual. 

É NECESSÁRIO MUDAR ESSA PERSPECTIVA!

Segundo a Organização Mundial da Saúde, ter saúde corresponde a “um estado de completo bem-estar físico, mental e social e não somente ausência de afecções e enfermidades”. Nesse sentido, a saúde resulta das escolhas e hábitos de vida.

Hábitos saudáveis e acompanhamento de saúde preventivo são o caminho para qualidade de vida de todos, homens e mulheres. 

DERRUBANDO O PRECONCEITO

O homem brasileiro conseguiu vencer a barreira do preconceito e hoje é um dos maiores consumidores do MUNDO de produtos de beleza. Por que ainda esse mesmo homem negligencia a própria saúde?

Estudos apontam números preocupantes ao analisar a saúde do homem. A cada 5 pessoas que morrem entre 20 e 30 anos, 4 são homens. A cada 3 mortes de adultos, 2 são de homens. Além disso, o comportamento também indica maus hábitos relacionados à saúde:

  • 57% dos homens tem sobrepeso e 18% são obesos
  • 25% dos homens consomem bebida alcoólica e 10% deles dirigem alcoolizados
  • 13% deles fumam, entre as mulheres o índice cai para 8%
  • 31% deles fazem consumo regular de frutas e hortaliças, enquanto entre as mulheres esse percentual sobe para 43%.

Dentre os maiores agravos, está a obesidade. A gordura localizada no abdômen é considerada um importante fator de risco para doenças cardiovasculares. Habitualmente encontra-se associada com níveis altos de triglicerídeos, baixos níveis do bom colesterol (HDL), resistência à ação da insulina com elevação dos níveis do açúcar no sangue (diabetes). Segundo o National Cholesterol Education Program (Ncep) a circunferência ideal para os homens não deve ultrapassar 102cm.

Além da obesidade, o consumo de álcool também é um comportamento que traz agravos para essa população. Mais de 200 doenças estão ligadas ao consumo de álcool. Dos 3 milhões de mortes atribuíveis a ele, 28% estão relacionadas aos acidentes de trânsito, violência, suicídio e outros atos violentos; 21%, aos distúrbios digestivos e 19% às doenças cardiovasculares. Do total de mortes atribuíveis ao álcool, três quartos são de homens.

A ciência e o desenvolvimento tecnológico tornam-se cada vez mais acessíveis, como aliados para a promoção da saúde.

Dentre os wearables, destaca-se a smart band, uma variação do relógio, de custo acessível e que permite o monitoramento da frequência cardíaca durante exercícios, monitoramento do padrão de sono e do número de passos por dia. Esses parâmetros aumentam a percepção sobre a própria saúde. Algumas marcas também traçam um comparativo com a média do padrão de sono dos usuários, traçando recomendações ao usuário. 

_______________________

Quando procurar o médico? Quando perceber sinais e sintomas sugestivos da doença, como: dificuldade de urinar; diminuição do jato de urina; necessidade de urinar mais vezes durante o dia ou à noite; e sangue na urina. A detecção do câncer de próstata pode ser realizada com exames clínicos, laboratoriais ou radiológicos.

Não importa o tipo de homem que você é. Seja do tipo que cuida da saúde.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *