Como identificar os sintomas de estresse da sua equipe

Quando um grupo trabalha em sintonia e dedicação para alcançar os melhores resultados, todos ficam contentes, não é verdade? Mas se as falhas começam a surgir e o desempenho dos colaboradores desvia do esperado, pode ser indício de que o estresse está chegando ou já atingiu a equipe de trabalho.

Dados da Organização Mundial de Saúde (OMS), apontam que o estresse atinge quase 90% da população mundial. A ocorrência desse distúrbio é muito comum nos locais de trabalho, sendo mais conhecido como estresse laboral, um dos principais fatores que interferem no desempenho dos trabalhadores e comprometem a produtividade.

O estresse desencadeia uma série de reações no organismo como a liberação de adrenalina e cortisol, o que provoca dilatação das pupilas e estímulo dos músculos. Em determinadas situações inesperadas, o estresse incentiva a capacidade de reação para o enfrentamento das circunstâncias repentinas. Todavia, se as dificuldades ou tensões se tornarem contínuas, o estímulo pode se transformar em distúrbio grave, provocando alterações psicológicas e físicas que podem levar à morte, se não for tratado a tempo.

Sintomas

O primeiro passo para detectar se algum colaborador está estressado, sofrendo as consequências do distúrbio, é constatar a manifestação de sintomas no ambiente de trabalho, os quais podem ser:

  • Cansaço, sono e lentidão;
  • Desatenção e esquecimento;
  • Erros de produção e avaliação;
  • Falta de entusiasmo;
  • Imunidade baixa;
  • Indecisão e desorganização;
  • Dificuldades de relacionamento;
  • Insatisfação e irritabilidade;
  • Alterações de peso;
  • Sensibilidade exacerbada;
  • Queda de rendimento;
  • Instabilidade de pressão arterial;
  • Dores de cabeça, musculares e na coluna.

Todavia, não são apenas os fatores individuais que contribuem para o agravamento do quadro de estresse. É importante verificar como está o clima organizacional e se as condições físicas e materiais do local de trabalho são favoráveis ou não, como: excesso de barulho, iluminação descontrolada, equipamentos inadequados, cadeiras desconfortáveis, temperatura exagerada, falta de limpeza e segurança, entre outras questões que podem provocar descontentamento e irritação.

Organização

O estresse no ambiente de trabalho nem sempre está ligado ao excesso de atividades. Em muitos casos, o distúrbio se manifesta por conta da desorganização. Arquivos e gavetas bagunçadas, excesso de papéis sobre a mesa, funcionários desocupados e perda de documentos são exemplos de que é necessário “colocar a casa em ordem”, a fim de facilitar a compreensão e o acompanhamento das atividades.

Prevenção

Para evitar o surgimento do estresse é importante proporcionar momentos de relaxamento e descontração para a equipe como happy hours, festas de aniversário, ações solidárias e comemorações por resultados. Também é muito importante incentivar a prática de hábitos saudáveis como atividades físicas, consultas médicas regulares, alimentação equilibrada, novos aprendizados, lazer e muita, muita conversa entre todos!

Responsabilidade  

O combate ao estresse no ambiente de trabalho exige comprometimento de todos. Gestores e líderes devem acompanhar o desenvolvimento das atividades e ouvir as necessidades de seus subordinados para atendê-las na medida do possível, seja para rever estratégias ou redistribuir tarefas. Os colaboradores, por sua vez, devem compreender a importância de seus afazeres para informar os limites de pressão e cargas de trabalho suportadas. Além disso, ambos devem agir com equilíbrio e sensibilidade para perceberem quando algo não está indo bem e realizarem as devidas correções.

 —————————

Sua opinião é muito bem-vinda! Comente, se expresse, esse espaço é seu 😉

Por favor, verifique os termos antes de realizar seu comentário:

  • Os comentários do blog são moderados.
  • Só publique comentários relacionados ao conteúdo do artigo.
  • Comentários anônimos não serão publicados.
  • Não coloque links de artigos de seu blog nos comentários.
  • Deseja nos contatar? Acesse o formulário de contato aqui.
  • Os comentários não refletem a opinião do autor.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *